O sistema da sua empresa tem te deixado na mão quando você mais precisa?

SIM

Principais ameaças à segurança da informação em 2017

Estamos finalizando o primeiro mês do ano de 2017, mas nem de longe é cedo para programar suas políticas de segurança da informação. Para te ajudar nesta tarefa, o portal IPNews solicitou que profissionais de 4 das maiores empresas de cibersegurança. Para que eles analisassem quais seriam os principais riscos as informações da sua empresa. Os profissionais deveriam analisar o ano de 2016 sob a perspectiva da segurança da informação. Com base nisso, responder a pergunta: “Quais os grandes riscos para o Brasil neste ano?”.

O resultado foi que quase todos os profissionais levantaram o sequestro de dados como uma tendência a se manter no próximo ano. Situação com as quais nossos arquitetos, infelizmente estão habituados. Junto a ele estão os ataques a internet das coisas e aos servidores de nuvem.

Confiram abaixo contra o que as principais empresas de segurança da informação esperam proteger-se em 2017.

Internet das Coisas e Nuvem devem atrair mais ataques – Intel Security

Para Marcio Kanamaru, diretor geral da empresa no Brasil, a internet das coisas deve atrair a atenção de hackers. Pois, apesar da ampliação desse tipo de funcionalidade, eles ainda carecem de políticas mais complexas de segurança.

Por outro lado, os provedores de armazenamento e processamento em nuvem possuem grande aparato de segurança de informação. Mas carregam dados e sistemas cada vez mais valiosos, o que atrai a atenção de criminosos. A principal vertente de ataques será a interface do usuário, com a cobrança de resgate para acesso aos dados no provedor.

Ataques Zumbi e phishing serão tendências – RSA

A primeira será uma distração para ataques maiores, segundo Marcos Nehme, diretor técnico de pré-venda para América Latina. Neste ataque, o rack controla vários computadores (zumbis) para gerar uma sobrecarga em seu sistema. Assim distrair a equipe de TI para executar outros ataques.

Em outra ponta, o phishin, do inglês pescaria, consiste em enganar o usuário para que ele entregue seus dados a uma página falsa. A tendência é que esses ataques proliferem entre as transações bancárias via celular. Devido ao grande número de operações financeiras que migram para esse dispositivo.

Os 3 principais ataques de 2016 devem manter-se como tendências – Cisco

O uso irresponsável de soluções em nuvem públicas, as vulnerabilidade da Internet das coisas e o sequestro de dados foram comuns em 2017 e devem se manter no próximo ano. Ao menos é o que imagina Marcelo Bezerra, gerente de engenharia de segurança para a América Latina.

O executivo lembra que é fundamental que as empresas invistam em segurança da informação e em inteligência para acompanhar os ataques. Posto que estratégias como o sequestro de dados se dá em múltiplas frentes e não pode ser combatido com ações isoladas.

Ransomware continuará como principal ameaça – Forcepoint

William Rodrigues, diretor de vendas da empresa, 2016 foi o ano do sequestro de dados e 2017 não será diferente. O principal motivo é que as empresas aumentaram a confiança na nuvem e acreditam que essa já vem configurada com as especificações necessárias para proteger seu sistema.

Porém, muitos dos maiores provedores de nuvem comercializam os serviços de segurança da informação como um adicional.

Conseguiu assimilar as dicas desses especialistas em segurança da informação. Para implementar as melhores políticas de defesa de dados em seu sistema, conheça nosso e-book.